sábado, 17 de julho de 2010

Lições Bíblicas 3

Lição 03 - As funções sociais e políticas da profecia

Leitura Bíblica em Classe

Jeremias 34.8-11,16,17

I. O papel político e social da profecia nas Escrituras
II. O profeta é enviado ao rei
III. Questão de ordem social

Conclusão

Prezado professor, a Bíblia tem muito a dizer acerca de questões sociais e políticas. O contexto histórico dos profetas veterotestamentários remonta um ambiente de injustiças sociais e corrupções políticas. Com o intuito de fazer o diálogo entre esse tempo hisórico e a igreja contemporânea é que reproduziremos um rico texto extraído da obra de John Stott “Cristianismo Equilibrado” (a fim de responder a seguinte pergunta: “Qual o papel social da Igreja?”):

“[...] Tem sido sempre uma característica dos evangélicos ocupar-se com evangelismo. Tanto assim que não é raro encontrarmo-nos com uma confusão de termos, como se “evangélico” e “evangelístico” significassem a mesma coisa. Na nossa ênfase evangélica em evangelismo, temos compreensivelmente reagido contra o tão falado “evangelho social” que substitui salvação individual por melhoramento social e, apesar do notável testemunho da ação social dos evangélicos do século dezenove, nós mesmos temos suspeitado de qualquer envolvimento deste tipo. Ou, se temos sido ativos socialmente, temos tido a tendência de concentrar-nos nas obras de filantropia (cuidando dos acidentes de uma sociedade doente) e tomado cuidado para evitar política (as causas de uma sociedade doente).

Algumas vezes, a polarização na igreja tem parecido ser completa, com alguns exclusivamente preocupados com evangelismo e outros com ações político-sociais. Como um exemplo para o primeiro, tomarei alguns grupos do tão falado “Povo de Jesus”. Ora, estou muito longe de querer ser crítico de qualquer movimento. Contudo, uma das minhas inúmeras hesitações diz respeito às comunidades de Jesus que parecem ter rejeitado a sociedade e se retirado para a comunhão individual, fazendo cultos evangelísticos ocasionais, no mundo fora da comunidade. Vernon Wishart, um ministro da Igreja Unida do Canadá, escreveu sobre o Povo de Jesus em Novembro de 1972, num artigo oficial da Igreja. Ele descreveu o movimento como “uma reação ao profundo mal-estar cultural social” e uma tentativa para “vencer uma depressão do espírito humano” causada pela tecnocracia materialista. Mostrou-se admirador do genuíno zelo cristão por eles manifestado: “Como crentes primitivos, eles simplesmente vivem de uma maneira amorosa, estudando as Escrituras, partindo o pão juntos e compartilhando os recursos”. E ele reconheceu que o intenso relacionamento pessoal deles com Jesus, e de um para com o outro era um antídoto à despersonalização da sociedade moderna. Ao mesmo tempo ele viu este perigo: “Voltar-se para Jesus pode ser uma tentativa desesperada de desviar-se do mundo no qual ele encarnou. Como as drogas, a religião de Jesus pode ser uma fuga de nossa tecnocultura”. Nesta última frase, Vernon Wishart colocou o dedo no problema principal: Se Jesus amou o mundo de tal maneira que entrou nele através da encarnação, como podem seus seguidores proclamar que amam o mundo procurando escapar dele? Sir Frederick Catherwood escreveu: “Procurar melhorar a sociedade não é mundanismo, mas amor. Lavar as mãos da sociedade não é amor, mas mundanismo” [grifo nosso].

[...] Nós certamente não estamos confundindo justiça com salvação, mas temos frequentemente falado e nos comportado como se pensássemos que nossa única responsabilidade cristã para com uma sociedade não convertida fosse evangelismo, a proclamação das boas-novas de salvação. Nos últimos anos, contudo, tem havido bons sinais de mudança. Temos ficado desiludidos com a mentalidade da “tentativa abandonada”, com a tendência de escolher não participar da responsabilidade social e com a tradicional obsessão da “micro-ética” (a proibição de coisas mínimas) e a negligência correspondente da “macro-ética” (os grandes problemas de raça, violência, pobreza, poluição, justiça e liberdade). Tem havido, também, um recente reconhecimento dos princípios bíblicos para a ação social cristã, tanto teológica quanto ética.

Teologicamente [grifo nosso], tem havido um redescobrimento da doutrina da criação. Tendemos a ter uma boa doutrina da redenção e uma péssima doutrina da criação [grifo nosso]. Naturalmente temos tido uma reverência de lábios à verdade de que Deus é o Criador de todas as coisas, mas, aparentemente, temos estados cegos para as implicações disto. Nosso Deus tem sido por demais “religioso”, como se o seu principal interesse fosse cultos de adoração e oração freqüentados por membros de igrejas. Não me entenda mal: Deus tem prazer nas orações e louvores do seu povo. Mas, agora, começamos a vê-lo, também (como a Bíblia sempre o retratou), como o Criador, que está interessado tanto pelo mundo secular quanto pela Igreja, que ama a todos os homens e não somente os crentes, e que tem interesse na vida como um todo, e não meramente na religião.

Eticamente, há um redescobrimento da responsabilidade de amor pelo próximo, que é o seguinte mandamento: “Amar nosso próximo como amamos a nós mesmos” [grifo nosso]. O que isso significa na prática será determinado pela definição das Escrituras sobre o “nosso próximo”. O nosso próximo é uma pessoa, um ser humano, criado por Deus. E Deus não o criou como uma alma sem corpo (para que pudéssemos amar somente sua alma), nem como um corpo sem alma (para que pudéssemos preocupar-nos exclusivamente com seu bem-estar físico), nem tampouco um corpo-alma em isolamento (para que pudéssemos preocupar-nos com ele somente como um indivíduo, sem nos preocupar com a sociedade em que ele vive). Não! Deus fez o homem um ser espiritual, físico e social. Como ser humano, o nosso próximo pode ser definido como “um corpo-alma em sociedade”. Portanto, a obrigação de amar o nosso próximo nunca pode ser reduzida para somente uma parte dele. Se amamos o nosso próximo como Deus o criou (o que é mandamento para nós), então, inevitavelmente, estaremos preocupados com o seu bem-estar total, o bem-estar do seu corpo, da sua alma e da sua sociedade. Martin Luther King expressou muito bem: “Religião trata com o Céu como com a terra... Qualquer religião que professar estar preocupada com as almas dos homens e não está preocupada com a pobreza que os predestina à morte, com as condições econômicas que os estrangula e com as condições sociais que os tornam paralíticos. É uma religião seca como poeira”. Eu acho que deveríamos adicionar que “uma religião seca como poeira” é, na realidade, uma religião falsa.

É verdade que o Senhor Jesus ressurreto deixou a Grande Comissão para a sua Igreja: pregar, evangelizar e fazer discípulo. E esta comissão é ainda a obrigação da Igreja. Mas a comissão não invalida o mandamento, como se “amarás o teu próximo” tivesse sido substituído por “pregarás o Evangelho”. Nem tampouco reinterpreta amor ao próximo em termos exclusivamente evangelísticos. Ao contrário, enriquece o mandamento amar o nosso próximo, ao adicionar uma dimensão nova e cristã, nomeadamente a responsabilidade de fazer Cristo conhecido para esse nosso próximo [grifo nosso].

Ao rogar que deveríamos evitar a escolha mais do que ingênua entre evangelismo e ação social, eu não estou supondo que cada crente deva estar igualmente envolvido em ambos. Isto seria impossível. Além disso, devemos reconhecer que Deus chama pessoas diferentes e as dota com dons apropriados à sua chamada. Certamente cada crente tem a responsabilidade de amar e servir o próximo à medida que as oportunidades se manifestam, mas isto não o inibirá de concentrar-se – conforme sua vocação e dons – em alguma incumbência particular, seja alimentando o pobre, assistindo ao enfermo, dando testemunho pessoal, evangelizando no lar, participando na política local ou nacional, no serviço comunitário, nas relações raciais, no ensino ou em outras boas obras.

Sugestão prática

Embora cada crente, individualmente, deva descobrir como Deus o tem chamado e dotado, aventuro-me a sugerir que a igreja evangélica local, como um todo, deve preocupar-se com a comunidade secular local como um todo. Uma vez que isto seja aceito, em princípio. Crentes individuais, que compartilham as mesmas preocupações, seriam incentivados a juntar-se em “grupos de ação e estudo”. Não para ação sem estudo prévio, nem para estudo sem ação consequente, mas para ambos. Tais grupos, com responsabilidade, considerariam em oração um problema particular, com a intenção de agir atacando o problema. Um grupo poderia estar preocupado com o evangelismo num novo conjunto habitacional, no qual (até onde conhecido) não mora nenhum crente, ou com uma seção particular da comunidade local – uma república para estudantes, uma prisão, estudantes recém-formados etc. Um outro público poderia dedicar-se aos problemas dos imigrantes e das relações raciais, de uma favela de área e de habitações deficientes, de um asilo para velhos desamparados ou de um hospital; de pessoas idosas que têm pensão, mas se sentem sós, de uma clínica local de aborto, ou de uma casa de prostituição. A possível lista é quase interminável. Mas se os membros de uma congregação local fossem compartilhar as responsabilidades evangelísticas e sociais da igreja em conformidade com seus interesses, chamadas e dons, muitos trabalho construtivos poderiam certamente ser feito na comunidade.

Eu não conheço qualquer declaração de nossa dupla responsabilidade cristã, social e evangelística, melhor do que aquela feita pelo Dr W. A. Visser: “Eu creio”, disse ele, “que com respeito à grande tensão entre a interpretação vertical do Evangelho como essencialmente preocupada com o ato de salvação de Deus na vida dos indivíduos e a interpretação horizontal disto, como principalmente preocupada com as relações humanas no mundo, devo fugir daquele movimento oscilatório mais do que primitivo de ir um extremo para o outro. Um cristianismo que tem perdido sua dimensão vertical tem perdido seu sal e é, não somente insípido em si mesmo, mas sem qualquer valor para o mundo. Mas um cristianismo que usaria a preocupação vertical como um meio para escapar de sua responsabilidade pela vida comum do homem é uma negação do amor de Deus pelo mundo, manifestado em Cristo. Deve tornar-se claro que membros de igreja que de fato negam suas responsabilidades em qualquer parte do mundo são tão culpados de heresia quanto todos os que negam este ou aquele artigo da fé [grifo nosso]”( STOTT. John R. W. Cristianismo Equilibrado. Rio de Janeiro, CPAD, pp. 55-64).

Professor, utilize a lição desse domingo a fim de contribuir para a relevância de sua igreja local à comunidade que ela está instalada. Reflita com seus alunos sobre o papel social que a Igreja de Cristo tem a desenvolver na sociedade em que vivemos. Boa aula!

Reflexão: “Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras as quais Deus preparou para que andássemos nelas” (Ef 2.10).

Lição 03 - Conhecendo o Espírito Santo

Texto Bíblico: João 14.16,17; 16.7-14

A dispensação do Espírito começou quando Jesus chegou ao céu, após a sua ascensão, enviou o Espírito Santo para o mundo (At 2.32,33) para ficar conosco ( Jo 14.16), e não como no tempo do Antigo Testamento, quando o Espírito Santo somente se manifestava esporadicamente ( 1 Sm 10.10; 16 .13; Nm 11.25; Mq 3.8, etc.). Ele anuncia as coisas de Deus (Jo 16.15). Nessa dispensação, tanto Deus quanto o Filho operam através do Espírito Santo ( At 14.27;21.19; 14.3, etc.).

A própria Bíblia focaliza três fases:

· No Antigo Testamento vemos Deus agindo, falando, guiando e operando.

· Os Evangelhos focalizam Jesus como o Salvador que ensinou o caminho da salvação e, depois, com a sua vida entregue à morte, ganhou a eterna salvação.

· Nos Atos dos Apóstolos e nas epístolas a atenção é fixada no Espírito Santo, quando Ele é aplicado à obra de Cristo e faz com que a vida espiritual se aperfeiçoe.

Embora o Espírito Santo venha operando desde o dia de Pentecoste, a palavra profética prevê um derramamento ainda maior nos últimos tempos.

O Espírito Santo ajuda o crente a entregar-se inteiramente ao Senhor, para assim dominar a sua velha natureza (Gl 5.16,17).

Texto adaptado do livro: Introdução à Teologia Sistemática, CPAD.

Lição 03 - Obedecer é o mesmo que adorar?
 
Texto bíblico: Salmos 119.90,91; Mateus 15.1-9

Professor, a obediência é essencial para uma vida cristã bem-sucedida. Deus também requer obediência de seus alunos. Pode ser difícil ensinar sobre obediência em um mundo que tende a rejeitar a noção da verdade absoluta. Há coisas certas e erradas em todos os lugares e para todas as pessoas. Mas felizmente o fato de que as ações certas e erradas têm consequências óbvias é algo que facilita sua tarefa. Por exemplo, a mentira com frequência, leva à traição e à quebra de relacionamentos. O vangloriar-se pode incitar à inveja. Por outro lado, viver no caminho de Deus leva à verdade, ao respeito, à generosidade, à benignidade, ao amor e a um ótimo relacionamento com Deus.

Converse com seus alunos explicando estabelecem regras não para controlar os filhos ou para deixá-los infelizes. O que eles desejam é tornar a vida melhor. Professor, ajude seus alunos a perceberem a razão da obediência as regras.

Texto adaptado dos livros: 365 Lições de Vida Extraídas de Personagens da Bíblia e Ensine Sobre Deus Às Crianças, CPAD.

Lição 03 - O cuidado de Deus por mim!

Texto Bíblico: Marcos 5.22-25,27,34,38,39

O Almirante está abordo

A vida não é um cruzeiro de férias, sem nenhuma responsabilidade. Deus o encarregou de conduzir o barco; fez de você o capitão. Ele exige que você use o seu talento e as suas habilidades nesta viagem. No entanto, Deus não solta simplesmente as amarras e acena enquanto você parte para o mar. Ele graciosamente envia o seu Filho Jesus junto com você nesta viagem. Neste momento, ao olhar para o amplo e incerto oceano, você pode obter consolo sabendo que o seu Almirante está no convés.

Antes de se inscrever na esquadra, você pensou que estar sob a autoridade de Jesus seria ameaçador, difícil e humilhante. Agora você descobre que é confortador. Você não precisa navegar sozinho pela vida, ameaçado por águas infestadas de tubarões, céus tempestuosos e navios inimigos. Você permanece no comando, com as mãos no leme, mas agora tem a bordo um oficial que poderá orientar, incentivar, fortalecer e proteger você. Jesus é, em última análise, responsável por garantir que você chegue a portos seguros, e Ele tem a sabedoria e a capacidade divina para fazer com que isto aconteça. Ele tem domínio não apenas sobre você, mas sobre toda a criação. Sob a liderança dEle, você pode ficar a salvo e aproveitar a viagem, alegrando-se com a aventura, mesmo que diariamente seja posto à prova e seja desafiado a crescer na arte de navegar.

Quando navegamos pelo mar aberto, Jesus nos orienta e instrui. O objetivo de Deus para esta viagem não é meramente trazê-lo a um porto, mas transformá-lo ao longo do caminho. Quando chegar ao seu destino, você terá se tornado muito mais do que um capitão experiente; o seu equilíbrio e comportamento serão tais que, não fosse a insígnia do seu uniforme, ninguém conseguiria diferenciar você do seu Almirante.

Texto extraído do livro: Graça Diária,p.77 CPAD

Lição 03 - Eu sou pecador

Texto Bíblico: Gênesis 3.1-24

CRESCENDO NA GRAÇA E NO CONHECIMENTO


“Os pecados cometidos estão refletidos nas punições, as quais foram aplicadas em partes. A serpente (14) foi amaldiçoada. Mais que é tradução incorreta, pois sugere que outros animais também foram amaldiçoados. O sentido correto é “à parte” ou “separado de entre”. [...]

O castigo envolveria inimizade (15), hostilidade entre pessoas. A semente da serpente, que Jesus relaciona aos ímpios (Mt 13.38.39; Jo 8.44), e a semente da mulher, têm ambas sentido fortemente pessoal. Deus disse à serpente: A Semente da mulher te ferirá a cabeça. Compare a referência de Paulo a isto em Romanos 16.20. A serpente só poderia ferir o calcanhar da Semente da mulher. De fato, ferir não é forte o bastante para traduzir o termo hebraico que pode significar moer, esmagar, destruir. Uma cabeça esmagada que leva à morte é contrastada com um calcanhar esmagado que pode ser curado. O versículo 15 é chamado “proto-evangelho”, pois contém uma promessa de esperança para o casal pecador. O mal não tem o destino de ser vitorioso para sempre; Deus tinha em mente um Vencedor para a raça humana. Há um forte caráter messiânico neste versículo.

Em 3.14,15, vemos “O Calcanhar Ferido”. 1) O Salvador prometido era a Semente da mulher — o Deus-Homem; 2) Esta Semente Santa feriria a cabeça da serpente — conquistar o pecado; 3) A serpente ferira o calcanhar do Salvador — na cruz, ele morreu (G.B. Williamson).

O castigo da mulher seria o oposto do “prazer” que ela procurou no versículo 6. Ela conheceria a dor (16) no parto, que é bem diferente do novo tipo de vida que ela tentou alcançar pela desobediência. Igualmente, a futura ligação do seu desejo ao seu marido era repreensão à sua decisão de buscar independência. Ela sempre seria dependente dele.

Deus pôs uma maldição diretamente na terra em vez de colocá-la no homem. Adão foi comissionado a trabalhar com a terra (2.15), mas já não seria por puro prazer. O homem se submeteu tão facilmente ao apelo da mulher que ele comeu o fruto proibido. Agora seu trabalho na terra seria misturado com dor (17). De todos os lados, ele seria confrontado por competidores: espinhos e cardos (18), que crescem profusamente sem cultivo e não produzem comida para o homem. Em Oséias 10.8, estas plantas aparecem como símbolos de julgamento e desolação no lugar da adoração. [...]

A morte física não seria imediata, mas seria inevitável, porquanto és pó e em pó te tornarás (19). O tipo imediato de morte que o homem sofreu foi espiritual: separação de Deus.”

Comentário Bíblico Beacon, CPAD, p.41-42

ATIVIDADES

Leve jornais e revistas para a sala de aula. Divida a turma em alguns grupos e distribua o material necessário para que os alunos possam produzir cartazes com figuras que representem as consequências do pecado para a humanidade. Quando terminarem, peça que cada grupo explique a razão de suas escolhas. Por fim, reafirme mais uma vez Romanos 5.12.

Lição 03 - O trabalho na Casa de Deus

Texto Bíblico: 1 Crônicas 24—26

CRESCENDO NA GRAÇA E NO CONHECIMENTO

“(4) Definição das tarefas dos levitas (23.28-32). A tarefa dos levitas era ajudar na preparação dos sacrifícios: juntar madeira, acender o fogo, matar os animais, cuidar das purificações cerimoniais (28), preparar ofertas de manjares (29), realizar atos de adoração (30) e, cuidar do Tabernáculo (ou tenda da congregação, 32; cf. Nm 3.5-10; 18.1-7).

(5) Os turnos sacerdotais (24.1-19). Os descendentes dos dois filhos de Arão foram também divididos em 24 turnos para suas tarefas oficiais. A família de Eleazar tinha dezesseis chefes (homens) de famílias (4) e Itamar tinha oito para chefiar os turnos. Cada levita era sorteado para um dos 24 turnos e cada um servia uma semana de cada vez; começavam no entardecer de um sábado e terminavam na manhã do sábado seguinte.

(7) As família e os turnos de cantores (25.1-31). Os músicos também foram escolhidos por sortes e divididos em 24 turnos. Davi reconhecia, como Samuel, a importância da música na adoração. Profetizarem com harpas (1) era louvar a Deus com voz e instrumentos (1 Sm 10.5). O sorteio incluiu os mais velhos e os mais jovens, professores e alunos, talentosos, e nem tanto. Consequentemente, os quatro mil levitas indicados para o serviço de canto incluíam o que havia de melhor. Ao mesmo tempo, os jovens e não muito talentosos estudantes podiam tirar vantagem da sua oportunidade de melhorar e dar o melhor de si a Deus.

(9) Os vários funcionários (26.20-32). As duas principais divisões desta lista eram os tesouros do Templo (20-28) e os oficiais e juízes (29-32). O tesouro sagrado evidentemente era conhecido desde os tempos de Josué (Js 6.24). o versículo 27 reflete a política do uso religiosos de Davi dos despojos de guerra. As obras de fora, isto é, as tarefas civis de Israel, (29-32) eram realizadas pelos escrivãos locais, magistrados, com professores para proclamar, expor e fazer cumprir a lei de Deus e as ordens do rei. O grande números de homens incluídos aqui (cf. 30,32) reflete a extensão dos funcionários públicos no ápice do reinado de Davi.”

Comentário Bíblico Beacon, CPAD, p.437-438

ATIVIDADES

Leve jornais e revistas para a sala de aula. Divida a turma em alguns grupos e distribua o material necessário para que os alunos possam produzir cartazes com as figuras de profissionais existentes em nossa sociedade. Quando terminarem, peça que cada grupo explique a razão de suas escolhas. Por fim, explique que também podemos servir a Deus através da nossa profissão.

Lição 03 - Preste atenção!

Texto Bíblico: Neemias 8.1-3; 9.1-38

Fonte: http://www.cpad.com.br/

I - De professor para professor


Prezado professor, neste domingo o objetivo da lição é fazer com que as crianças aprendam a apreciar o ensino da Palavra de Deus.

• Faça uma recapitulação da aula anterior. Pergunte qual foi a palavra-chave estudada e qual o versículo aprendido.


• A palavra-chave da aula de hoje é “APRENDER”. Então, durante o decorrer da aula repita a frase: “Na Escola Dominical aprendemos a Palavra de Deus.”


Para refletir

• “Quando Neemias chegou a Jerusalém encontrou mais do que apenas paredes desmoronadas; encontrou vidas destruídas. Em resposta a esta situação, Neemias reuniu o povo para ouvir Esdras fazer a leitura da Lei do Senhor. O povo se arrependeu e prometeu mudar de vida através da obediência à Palavra de Deus. Não importa onde vivamos, o desvio é um perigo sempre presente. Devemos sempre verificar o nosso comportamento, comparando-o com os padrões de Deus expressos na Bíblia, para que não nos desviemos, voltando a modos pecaminosos de viver”.


Extraído da Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, CPAD


• Professor, “para sucesso de sua aula, estude bem o texto bíblico e ore ao Senhor para que Ele lhe dê inspiração e sabedoria para relatar os acontecimentos”.


Extraído da revista Jardim de Infância Mestre 7/8, CPAD


Regras Práticas para os Professores


Os Vilões da Infância


“Durante muitos séculos a sociedade agiu de maneira indiferente com relação à infância. As crianças, de maneira muitas vezes sutil ou subliminar, são pressionadas a serem pequenos adultos. Imitam hábitos e costumes dos adultos e muitas vezes já nem sentem alegria pela infância, seu desejo é alcançar a maioridade.


1.As mídias, de modo geral. Em se tratando de poder, as mídias são atualmente forte instrumentos de influência e manipulação na educação e construção desses novos seres “adultizados”. No Brasil, as músicas que as crianças cantam não são mais tão infantis. As maquiagens, roupas e calçados copiam o adulto como se os gostos fossem os mesmos. As danças sensuais e canções com palavras obscenas já azem parte do repertório preferido dos pequenos. Meninas usam roupas e objetos que estimulam a sexualidade precoce, assistem aos mesmos programas de televisão e falam a mesma linguagem dos adultos. Garotinhas usam salto e meninas de apenas cinco anos de idade já querem se vestir como adultos e já não aceitam usar roupas que possuam qualquer desenho infantil que os faça parecer crianças. Abraçar e pegar na mão do filho é considerado motivo de vergonha. Crianças trabalham e apresentam programas de televisão”.


TULER, Marcos. Os Perigos da Adultização Precoce. Ensinador Cristão, ano 11, n. 43,p. 44


• Atividade


Realize as atividades sugeridas na revista do Mestre, página 12.


Caso sobre algum tempo para mais uma atividade, sugira que as crianças encenem a história bíblica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário